Posts Marcados Com: belo

relogio-tempo-passa-perda-tempo1

O tempo é o melhor remédio

Giordana Bonifácio

Não vai doer para sempre. Da ferida,

Cuja dor que hoje sente é desmedida,

Restará muito pouco, tenha fé.

Não pague para ver tal São Tomé.

 

Um dia, esta dor, deveras esmaecida,

Será tão só uma crise de sua vida,

Da qual irá se lembrar no café,

E com um tal desdém, rirá blasé.

 

Tudo será esquecido, um belo dia.

Quando findarem todos os lamentos,

Poderá vencer enfim as tormentas.

 

Então, meu amigo, a dor supere e sorria.

Pois o futuro, mesmo a passos lentos,

Chega curando as chagas mais sangrentas.

 

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

outono-laranja_4322_1024x768 (1)

Gélido outono

Giordana Bonifácio

Gélido outono, dá-me o privilégio enorme,

De sonhar nessas noites longas e estreladas.

Sou pobre poeta que nas noites frias  não dorme.

Tão solitário quanto a lua, a escutar baladas.

 

Invento sonhos que me preenchem a solidão.

São suaves fantasias, às vezes doloridas,

Vagas Ilusões que na alma são só imensidão.

Mas me cobrem a dor com telas coloridas.

 

Não persevera mais qualquer sombra de sofrimento.

O outono é da magia o derradeiro momento.

Vamos pintar as folhas de lindo amarelo.

 

Não há outro período tão perfeitamente belo,

Que o outono, estação fria cuja cor impressiona.

Nada se iguala ao espetáculo que proporciona.

 

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Uma última poesia

Giordana Bonifácio

Quem me dera que nesse último momento ,

Pudesse concluir meu principal intento

De escrever o mais belo e perfeito dos poemas.

E assim resolver estes meus grandes dilemas.

 

Mas na verdade não existem as rimas ricas

Somente frases com suas palavras pudicas.

Sem arroubos de  meus insanos sentimentos,

O intuito é fugir de futuros sofrimentos.

 

No pesadelo que se tornou minha vida,

Penso que minha missão aqui já está cumprida.

Despeço-me de meus temores e do mundo.

 

Resta-me apenas este suspiro profundo.

Deixo à posteridade minha tão dura arte,

Sou eu a sofrida poetisa que nesse voo parte.

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Suave brisa de outono

Giordana Bonifácio

Suave brisa de outono para longe leve,

Meu abandono, pois é gélido como a neve.

Mas queima a pele como a brasa mais ardente.

Suave brisa de outono sopre a dor ao poente.

 

Caso seja possível, leve-me consigo,

Ao oásis mais aprazível. Ouve o que lhe digo?

Suave brisa de outono, tão fiel confidente,

Porque não me concede este belo presente?

 

Com minhas asas de Ícaro permita-me voar,

Sobre as nuvens, bem alto, até que me falte o ar.

Suave brisa de outono porque a mim ignora?

 

Não entende talvez que busco a vida lá fora?

Pois preciso andar por lugares diferentes.

Suave brisa de outono quebre-me as correntes.

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Sonhando com o mar

Giordana Bonifácio

À praia lambiam as ondas de um mar esmeralda.

E como de um véu de noiva a longa e alva calda,

A espuma de diamantes luzidios que fervia

Sobre a areia, adornava esta imagem que só eu via.

 

E o ir e vir destas vagas inspiram-me poesias

Ainda devaneios, sonhos, e também fantasias.

Pois nada se compara à beleza do oceano.

Eu sei que muitos já me julgam um insano.

 

Pois enquanto estou pelo cerrado cercado.

Fico a pensar nas vagas num belo bailado.

Elas vem e vão, e não há barreira que as pare.

 

E não há força que ao poder do mar se compare.

“Navegar é preciso” escreveu o grande poeta.

Mesmo quando o mar só a imaginação projeta.

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Céu de Brasília

Giordana Bonifácio

Afoga-me no seu azul, céu desta capital.

Sua beleza me influencia de forma tal,

Que minhas poesias surgem bastante límpidas.

Mas as palavras que o descrevem são tímidas.

 

O Lago Paranoá que lhe serve de espelho,

Segue de Lúcio Costa o harmônico conselho.

Desse planalto central  o belo céu traduzia

Enquanto Juscelino do Catete , fazia

 

Da nossa cidade de Brasília um sonho real.

E nossos heróis, seguiam em busca de um ideal.

O sonho de Dom Bosco  foi simples semente.

 

Não foi obra ou  desígnio de um  homem somente.

O céu anil de Brasília, traço do arquiteto,

Deixou de ser dos croquis um simples projeto.

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Felicidade

 Giordana Bonifácio

Felicidade não é tão difícil de se achar.

É só não deixar este belo botão murchar.

Carregamos a  fina flor  em nosso peito.

A alegria cultivamos como a um grande feito.

 

Só seremos felizes quando compreendermos,

Que não é essencial procurarmos em cantos ermos.

Está conosco este tesouro almejado.

Não se trata somente de um sonho dourado.

 

Felicidade não está restrita por sorte.

Não são essenciais fortunas ou  qualquer consorte.

Sozinho e sem dinheiro a encontrar é possível.

 

Apesar de não ser um fato muito crível,

Garanto-lhes: pode ser bem fácil ser feliz.

Basta ouvir o que seu bom coração lhe diz.

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: