1661124_924053504339369_5861610921026555621_n

“Você não sabe o que passei,
para chegar até aqui.
Percorri milhas e milhas antes de dormir.
Eu não cochilei.
Os mais belos montes escalei.
Nas noites escuras de frio, chorei”.
(Cidade Negra)

“Isso sou eu!”

Giordana Bonifácio

Um dia, dei à luz a uma ideia. Surgiu meio assim, de mansinho. Primeiro, era uma comichãozinha na mão. Foi um tanto incômoda, impelia-me para um sentido que desconhecia. Era uma sensação estranha, mas sabia que tinha de fazer aquilo transformar-se em algo. Não sabia bem o quê. Poderia ser uma escultura, mas meu talento com artes manuais sempre foi sofrível. Poderia ser um desenho, mas percebi que meus rabiscos estavam muito longe de se parecerem com arte. Então escrevi: veio-me minha primeira história. Não foi um trabalho memorável. Sequer restou para a posteridade. Não havia internet e os computadores estavam muito além dos meus parcos recursos, bem como, os de minha família. Escrevi à mão um conto que se pretendia engraçado sobre a lei seca. Foi quando percebi que minha veia humorística não me levaria a lugar algum. Diriam que tenho o dito humor inglês, mas, na verdade, creio que não me sei fazer engraçada. Bom, mas voltando ao assunto, eu escrevia, em meus cadernos, longos textos que seriam o embrião da minha literatura. Claro que sob protestos inflamados de meus professores que tinham de dividir o espaço de meus cadernos com minhas fantasias pré-artísticas. O tempo não conservou aquelas provas do crime para hoje provar a culpa do acusado. Alguns anos depois, minha mãe conseguiu financiar um computador IBM Aptivia que, apesar de dividi-lo com meus três irmãos, era tudo para mim. Mas com o progresso da tecnologia os arquivos que restaram no disco rígido daquela máquina não puderam ser reabertos. Outros computadores vieram até que pude comprar o meu notebook pessoal quando obtive finalmente um emprego. Então, havia mais estímulo para escrever, pois tinha toda a liberdade e privacidade que sempre sonhei. Anos dividindo o computador com meus irmãos fizeram-me sofrer com as piadas infames dos meus familiares quanto às histórias que criava. Não eram contos verdadeiramente memoráveis. Mas só pelo fator histórico tinham algum valor.

Foi em 1998 que dei início a minha caminhada pelos veios da literatura. Contudo, outra condição se abateria sobre mim: fui diagnosticada doente psiquiátrica e, desde então, cumpro à risca as recomendações médicas para manter a tão sonhada sanidade. Em razão de minha condição, sofria bullying na escola. Já o sofria mesmo antes deste período, mas devido à doença, sobre a qual, naquele tempo, não tinha controle, acentuou-se severamente. De 1999 até 2001, vivi uma terrível peregrinação em busca de tratamento, bem no momento de minha adolescência que foi perdida em meio a psicólogos, remédios prescritos e psiquiatras. A faculdade de Direito foi dolorosíssima, pois as alucinações chegavam-me nos momentos mais impróprios. Levou muito tempo até que pude, finalmente, ver-me livre das vozes e dos outros sintomas estranhos que me afligiam. Quando, já mais estável, fui aconselhada pelos meus médicos a voltar a escrever, foi como abrir as comportas de uma represa em sua vazão máxima. Surgiram assim, muitos dos meus contos. Criei uma página no falecido Geocities do Yahoo que transformei em um blog, no ano de 2007, no WordPress. Foi nesse ano que ingressei na disputa do Concurso Internacionalizando o Jovem escritor sendo agraciada com um honroso sexto lugar. Nunca recebi sequer um certificado deste feito, mas se procurarem por meu nome do Google, acharão, com alguma sorte, a prova de minha primeira vitória literária. Após isto, fui alcançando posições mais altas nos certames que chegaram ao seu ápice com o primeiro lugar no Concurso Literário de Icó de 2014 na categoria crônicas. Sempre que olho o certificado deste concurso, em especial, vem-me à língua as palavras daquela música “A estrada” da Cidade Negra, banda muito em voga na minha adolescência: “Você não sabe o que passei, para chegar até aqui. Percorri milhas e milhas antes de dormir. Eu não cochilei Os mais belos montes escalei. Nas noites escuras de frio, chorei”. Meu caminho foi árduo. Como a vida de todos, em geral.

“Quer moleza? Senta na gelatina.” Diria o grande filosofo brasileiro, Fausto Silva. Perdoem-me o trocadilho. É só um chiste do meu, já mencionado, humor inglês. Minha mãe costuma dizer que tudo para mim é mais difícil. É algo que sinto na alma. Nada que conquistei, veio-me fácil. Nem mesmo a sanidade. Agora que sou uma paciente em condição estável, posso confessar-me até feliz. Conquistei mais de uma dúzia de premiações e publicações. E, hoje, sinto-me, pela primeira vez, uma pessoa comum. O meu padecimento custou-me quase a vida. Emagreci no auge da doença até atingir os 45 quilos. Até menos, pelo que me lembro. Vivia em sofrimento. Era como estar constantemente em alerta. Apavorada com a realidade que se mostrava, aos meus olhos, tão hostil. Apesar de sempre ter estudado muito, (hoje sou dona de um currículo invejável: sou bacharel em Direito, advogada pela OAB/DF, pós-graduada em Ordem Jurídica e, dia 11 de março, recebo o diploma de licenciatura em Letras pela Universidade de Brasília –UnB); não podia controlar a minha própria mente. Passei por episódios bem sinistros, confesso. Meus médicos conheciam-me pelo meu diagnóstico: depressão, baixa auto-estima, episódios de alucinação e delírios, retraimento social e diminuição da motivação, desesperança, ideias de ruína e, até mesmo, de suicídio. Até superar todos estes percalços, passei por muito tempo de terapia e estou praticamente formada em fármacos psiquiátricos. Porém, minha vida melhorou sensivelmente, hoje posso dizer: sobrevivi! Claro que não passei por tudo isto sozinha. Tive o apoio incondicional da minha família, com que pude contar nos momentos mais difíceis. Sofreram e partilharam da minha dor, quando ninguém mais parecia se importar comigo.

Depois de uma longa tempestade, creio que vem chegando o período em que o sol volta a brilhar para mim. Ainda que não goze (ainda) de fama. Algumas singelas conquistas fazem-me crer que a roda da fortuna girou a meu favor, finalmente. Tenho dois livros sendo vendidos numa das maiores livrarias do país. Isto me significou deveras no momento de escrever esta crônica. Não queria relatar um texto repleto de mensagens de conforto e fortalecimento. Não sou lá muito adepta da auto-ajuda. Por isso, os livros que meus terapeutas me indicavam, pouco me auxiliavam. Não por questionar a capacidade dos autores destas obras, mas por duvidar da sua real eficácia sobre mim. Julgava-me solitária num mundo repleto de pessoas. O que veio a mudar quando a mágica da conexão tecnológica, mais conhecida por internet, apresentou-me a pessoas que partilhavam das mesmas ideias que eu. Uma delas, minha melhor amiga, “best friend forever”, como os jovens dizem hoje em dia, Vera Lúcia Guabiraba. Aprendi muito com suas dores e espero que ela tenha crescido também ao meu lado. Olhem só: eu falando “lado”! Ela mora a milhares de quilômetros de distância, lá em Sergipe, enquanto eu vivo neste louco quadradinho no meio do país conhecido por Distrito Federal! Suas desilusões amorosas fizeram-me entender também as minhas. Hoje, somos praticamente irmãs gêmeas separadas ao nascer. Outro fator que me marcou muito foi o meu ingresso no curso de Letras. Não recebi muitos incentivos na minha opção, pois já tinha cursado Direito e já até advogava. Mas creio que o mais importante de ter escolhido a UnB não foi tão só o curso em si, mas as amizades que restaram desta experiência. Não foi somente o aprendizado auferido para a criação de meus contos, foi também o saber do mundo que me auxiliou a ser melhor como pessoa. E, por fim, amizades sinceras. Não sei se serão eternas, espero que sim. Mas foram fruto de uma ideia que começou com um comichão há muito tempo atrás. O que fica como moral desta história? O tempo é o melhor professor, mas é melhor frequentar sua escola quando temos bons colegas de classe!

Anúncios
Categorias: Uncategorized | 1 Comentário

Navegação de Posts

Uma opinião sobre “

  1. Divino G Silva

    Querida Jojo, antes de tudo desculpe a pretensa intimidade, mas faz-me-ela muito bem, já que dá ares de importância que sei não possuir, mas neste mundo de hoje em dia, vive-se da falsa ilusão que quiseres construir. Acredito ser o seu fã numero 1, já que tive o prazer de dividir com você os assentos escolares da UnB em variados momentos da nossa formação. Vou comprar este seu novo livro que está saindo do forno e levo junto aquele outro que comprei há alguns meses e o qual consegui arrancar de você a promessa de um autografo, mas que a corrida do tempo não permitiu que eu colocasse em prática, mas agora com a sua tão esperada graduação na UnB deverá ser um ótimo momento. Forte abraço e até o dia 11 de março de 2016.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: