partido-heder

Canto de amor de quem não ama ninguém

Giordana Bonifácio

Ouça, ó Lua, este meu tão amargo lamento.

Que as Musas façam limpa minha voz,

Que não me roube a fala a paixão atroz,

Para assim narrar todo meu tormento.

 

Ó Diana, como apagar meu pensamento?

O passado foi sempre o meu maior algoz,

Fruto de um tempo que caminha veloz,

Que à vida apaga como à chama o vento.

 

Ó, não sabe da minha vã agonia:

Ter a alma cheia de mágoa ao fim do dia,

De um penar que não sei de onde vem.

 

Ouve o que digo com tão rudes versos?

São rimas pobres, são sonhos dispersos,

Canto de amor de quem não ama ninguém.

Anúncios
Categorias: Uncategorized | Tags: , , , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: