Arquivo do mês: julho 2014

partido-heder

Canto de amor de quem não ama ninguém

Giordana Bonifácio

Ouça, ó Lua, este meu tão amargo lamento.

Que as Musas façam limpa minha voz,

Que não me roube a fala a paixão atroz,

Para assim narrar todo meu tormento.

 

Ó Diana, como apagar meu pensamento?

O passado foi sempre o meu maior algoz,

Fruto de um tempo que caminha veloz,

Que à vida apaga como à chama o vento.

 

Ó, não sabe da minha vã agonia:

Ter a alma cheia de mágoa ao fim do dia,

De um penar que não sei de onde vem.

 

Ouve o que digo com tão rudes versos?

São rimas pobres, são sonhos dispersos,

Canto de amor de quem não ama ninguém.

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , , | Deixe um comentário

amare

Amar

Giordana Bonifácio

Eis aqui: doo-te o meu amargo coração.

Leva de mim, pois já não mais o aguento.

Não suporto mais esta cruel emoção:

Amar, mas que confuso sentimento!

 

Dança-se sem ter razão, ritmo ou canção.

Voa-se alto, vê-se claro o dia cinzento.

Para, no fim, ruir tudo num só não…

Amar: cinzas levadas pelo vento!

 

Moléstia atroz para qual não há cura!

Ilusão, fantasia e horrenda quimera!

Imensa mágoa que na alma perdura!

 

Tantos versos rasgados… Como eu penei…

Que infinita tragédia, ó longa espera!

Quantos sonhos, em vão, sozinha, sonhei!

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , | Deixe um comentário

tumblr_mctygakeDv1rvpfxgo1_500_large

L’amour éternel

Giordana Bonifácio

Ai, quanto amor eu tenho em meu coração…

Como dói quando o sinto bater forte,

Mas não há ninguém, que com isso se importe.

Resta-me esquecer, mas como isso é vão…

 

Pois a mente diz: ‘sim’, já, a alma diz: ‘não’.

A que anjo torto devo a minha sorte?

Ser gauche na vida é amar até a morte?

Mas quão terrível é a minha maldição!

 

Já não sei quantas vezes eu prometi:

Vou me esquecer de todo amor que senti.

Mas que promessas tolas e falidas…

 

O amor já me havia feito escrava e louca,

Já não ouvia o que falava minha boca.

Amava, triste e só, por muitas vidas…

Categorias: Uncategorized | Tags: , , | Deixe um comentário

soledad2ik9

“Porque não é no tempo que eu te espero.
Espero-te antes de haver vida
e és tu quem faz nascer os dias.”
A demora – Mia Couto

O amor ausente

Giordana Bonifácio

Quando Diana bem leve toca o mar,

Num beijo breve tão cheio de doçura,

Eis-me aqui: pobre infeliz a soluçar,

Toda dor que ao meu espírito tortura.

 

Em que peito minha alma terá lar?

Quem é que meu coração em vão procura?

Na solidão da noite fico a clamar:

“Ó lua, deusa tão casta de luz pura,

 

 Ilumine a escuridão amarga e triste,

Pois creio que do amor minh’alma desiste.”

Mas quão terrível faz-se a minha sorte:

 

Tanto esperar pelo amor ausente,

Até que, então, meu corpo fraco e doente,

Leve consigo o seu amor para morte.

Categorias: Uncategorized | Tags: , , | Deixe um comentário

earthOK

O universo todo ao meu redor

Giordana Bonifácio

Os sonhos não terminam jamais. Na verdade, expandem-se como o universo. Por isso dizem cobiçoso o homem que luta por seus sonhos e que, ao alcançá-los, já possui novas metas. Há sempre um vazio em nós que não se preenche. A nossa alma anseia por algo. Anseia por universos infinitos. Meu desejo é ser. Seguir sendo cada vez mais, cada vez menos. Ser uma simples união de coisas complexas. Algo traduzível num sorriso. Algo que apenas se diz numa lágrima teimosa. Ser foi-me sempre muito difícil. Pois querem que eu seja como todos os outros seres. Mas eu sou. Isso somente me conceitua. Sou.  Deixem-me ser. Ser entre sonhos infinitos. Ser fora dos moldes que limitam. Ser aberto. Ser vazio que se preenche. Ser entre estrelas que brilham ofuscantes, ser nebulosa colorida. Sou isto. Sou menos que tudo. Sou um tanto mais que nada. Pois a massa dos corpos surgiu de algo ínfimo, mas que explodiu rasgando o nada. Ainda quero, mas querer é um sentimento tão comum… Vivo só, só vivo. Embora, saiba que isso não me satisfaz. Somem as entrelinhas em palavras fatalistas demais. Backspace, por favor, apague meus erros. Não sei usar as palavras. São elas que me usam, pois sou um objeto descartável e elas vão subsistir a mim. É certo, tendo em vista que homens não se reciclam. Eu queria continuar sendo, sem ser o que fui quando não me entendia e queria definir-me em fórmulas. Mas sonhos não são exatos. Seres de sonhos são humanos e seres humanos são definidos pelas ciências das palavras que não conseguem definir. O todo resta sem solução.

 O universo todo ao nosso redor e quanto sabemos dele? Não sabemos nem ao menos sobre nós nesse mundinho minúsculo que nos é uma enormidade. Queria saber mais e mais, porém, quanto mais sei, menos sei, pois a inteligência expande-se em vazio também. Numa explosão de entendimento, tudo se torna menor. O saber faz-nos reconhecer nossa insignificância. Não sei descrever esse fenômeno de forma breve. As palavras multiplicam-se na ferida aberta em meu cérebro. É que os homens creem-se superiores aos seus pares em função de coisas ínfimas. Desconhecem ou ignoram a realidade? Somos minúsculos e ainda se julgam tão importantes… As pessoas ainda não compreendem a fragilidade da vida humana. Algo tão diminuto… Ninguém será ovacionado por suas conquistas. O que se obtém em vida aqui resta e não é possível transportar consigo em morte. Por isso, continuo sendo, sendo apenas, sem pretensão de ser mais, mas sim, menos. Ser sozinho, pois não procuro seguidores. Ser sem anseios. Ser sonhos infinitos que ao fechar meus olhos continuam lá. Sou isto mesmo que não me entendam. Mesmo que me discriminem dos demais. Sou a minoria das minorias. Enjeitado pelos rejeitados. Tentei cultivar relações sociais. Mas a sociedade é a homogeneidade dos seres. Igualam-se em comportamentos e em sonhos. Eu não procurei a originalidade, ela me perseguiu. Acabei por aceitá-la tarde demais. Perdi muito tempo tentando ser o que não sou. Quando me sabia diverso, mas não queria diferir-me. Tinha medo. Medo do comportamento dos homens homogêneos. Fui apontado na escola, o sou também no trabalho. Porque não me submeto a convenções tolas. Porque penso quando os homens querem manter-se no interior da caverna, possuindo visão tão somente das sombras do mundo.

Quero ver o que Ícaro viu mesmo que a queda seja fatal. Quero transmitir aos homens o que sei, mesmo que, tal qual ocorreu a Prometeu, seja acorrentado e devorado por abutres. Quero cruzar os liames da razão. Ainda que saiba bem dos riscos. As palavras fervilham, sei que não posso retê-las.  Despregam-se de mim. Vão dizer o que sou. Mesmo que ainda não o saiba ao certo. O que aqui escrevo, sacia a fome dos homens. Multiplica-se em pão e peixe. Converte-se em vinho. Inebria os sentidos. Talvez, também seja crucificado por minhas verdades. É que não se pode dizer ao mundo tão abertamente o que devíamos fazer segredo. Ser é uma incompletude perigosa. Sei que não quero ser o que os outros são. Não mais. Aprendi a aceitar o que sempre fui, mesmo que fuja aos padrões. Sorte que nunca fui contra meus ideais. Ser me custa muito. Ser é uma agonia que ora dói, ora afaga. Sabidamente, sempre me resta a possibilidade de desistir de tudo. Até de mim. Divirjo sobremaneira em minhas opiniões. É que nunca aprendi a ser fora dos paradoxos. Vivo de contradições, sou a contradição mais perfeita que existe. Por isso, necessito de definições que nunca me conceituam. Mesmo assim, ainda quero entender-me. Ainda que não diga a ninguém o que descobrirei de mim. Apaga-se o sol de meus sonhos, a noite dos temores se aproxima. Tenho de fazer-me firme frente às possibilidades sombrias.  O que dizer do futuro quando ele é uma condição remota? Por que ainda espero um amanhã que nunca vira hoje é o que não compreendo. O passado passou rápido demais, mas o presente estende-se infinitamente. Quando o futuro porque tanto anseio enfim vai chegar?  Sinto uma confusão de sentimentos, que ora pendem para a tristeza e ora pendem para euforia. Sou vítima de minhas próprias divergências.

Fui tolo inúmeras vezes. É que os erros são necessários ao nosso amadurecimento.  Fui tropeçando em meus caminhos. E sempre me foi difícil abrir as portas trancadas da esperança. Ainda creio em milagres que nunca ocorrem. Mas agora com menos frequência. Quando quis me aproximar, o sonho se recolheu. Fui desanimando, desistindo de tudo, juntando os restos de vida que ainda me havia. Prossigo, sobre meu rocinante, com a lança em punho, pois sei que ainda há muitos moinhos de vento para se combater. Quisera ainda amar a Dulcinéia, mas já fiz serenatas demais ao coração errado. Hoje, creio estar melhor sem suspirar por amores impossíveis. Sei que todo Fausto tem sua Margarida, mas penso que a solidão é meu maior capricho. Sempre consigo me ouvir melhor no silêncio do quarto, quando estamos somente eu e a tela em branco do computador. Aos poucos vou dedilhando as cordas do meu violão. Muitas notas confusas se organizam na pauta musical dos meus sentimentos. Quebro paradigmas, dedilho canções. Sinto música e canto sem versos. A música se acomoda entre meus silêncios. No universo não se pode ouvir qualquer som. Espaço de vazios em que o som não pode propagar-se. No silêncio, observando a enormidade do que me é exterior, compreendo melhor os desígnios de Deus. Um Deus que me transcende, que não explica as razões do meu penar, mas que me dá a mão e me auxilia a prosseguir na minha Via Crucis. É a ele que peço por meus torturadores, pois não sabem que o que fazem a mim, vai pesar para eles.

Seria o homem um rascunho? Algo que em vida se prepara para uma existência superior? Sei que não devemos ser bons por temer a consequência de nossos pecados. Mas pela compreensão do mal que podemos causar às outras pessoas. Não há o que se faça em vida que não reste registrado, ao menos em nossa consciência. Não há seres insignificantes, cuja vida é menos importante ao mundo. Raskólnikov cometeu essa falha. Creditou-se uma importância que não possuía e sofreu um castigo auto-imposto por seu crime. Vamos nós também viver nosso crime e castigo? Melhor é construir o nosso caráter e conduta sem esperar por penas futuras ou presentes. É assim que se fincará realmente as bases de um porvir mais justo e equânime. Não sei se devo crer em Deus, mas todas as vezes que penso em todo este universo ao meu redor, mais um grão de mostarda germina em meu peito. Sou o único responsável pelo seu crescimento. Sou eu que devo fazer do solo de minha alma, um bom terreno para que cresça e se multiplique. Tentei muitas vezes negar a fé por temer o julgamento das pessoas. Foram elas que mais me afastaram do caminho que eu achava adequado, pois queriam que seguisse seus tortos passos. Quando desisti de tentar ser mais que deveria ser, foi que encontrei as respostas de minhas questões mais intricadas. Permaneci muito tempo em dúvida. Precisava de algo que me fosse maior, que não me abandonasse por minha aparência, que não me julgasse por minhas opiniões. Somente a fé conferiu-me o que necessitava.

 Há tanto que se compreender. Há tanta vida lá fora. Tanto que não sabemos, que não entendemos, que ignoramos, que desprezamos… Por que então permanecemos imóveis ante tudo que poderia ser feito, ser pesquisado, ser decifrado enfim? Será que tememos as respostas? Será que estamos enclausurados pelo temor do que pode ser encontrado? O que ocorreria se todos os homens no passado limitassem-se por seu pavor? Creio que nada do que hoje existe, seria real. Não teríamos o grau de avanço tecnológico do qual atualmente usufruímos. A enormidade de nossas dúvidas não deve subjugar nossa ínfima vontade. Ser diferente num mundo de seres iguais é uma batalha colossal. Porém, resolvi enfrentá-la. Armei-me com minha força e meu espírito. Eu ainda sinto medo. Sou frágil, sou carne e sangro. Sei que as palavras ferem com força de paus e pedras. Mas não posso negar meus ideais. Meus sonhos que se convertem em palavras, são disseminados pela teia de pessoas que estão conectadas, mas não se veem. Ser num mundo de seres sem rosto é ainda mais difícil. Nesse mundo de anônimas opiniões, os meus sonhos espalham-se sem destino. Seguem desbravando países que desconheço, não há fronteiras que os limitem. São livres como não o sou. Tenho em volta de mim, barreiras que me impedem ser inteiramente livre. Ainda que tenha assumido minha originalidade, falta-me vencer tais barreiras com que o mundo me enclausurou. Abro meu coração, mesmo que seja alvo de eventuais condenações. Dizem-me que sozinho não poderei vencer um mundo inteiro, que devo ser como todos os demais, que sonhar é dádiva para poucos e que o mundo é feito de duras realidades. Mas ser foi a vitória mais colossal que poderia ter alcançado. Ser num mundo de pessoas que não são, que seguem o que dita modas e leis extravagantes, é a batalha que enfrento e tenho sido vitorioso. Vou preservar minha individualidade, minha personalidade, sendo o que quero ser e não o que me dizem para ser. Com um universo todo ao meu redor, não posso deixar-me influenciar por opiniões alheias que se perderão nas areias do tempo.

Categorias: Uncategorized | Tags: , , , | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: