Em Lugar Algum 

Giordana Medeiros

São três horas da tarde em algum lugar. O sol quente amolecendo as pessoas. Tarde sem vento. Nem uma leve brisa. Talvez beija-flores, velozes, voassem nos jardins desse lugar. Dou-lhe o título de algum lugar mesmo sabendo ser lugar algum. Em lugar algum há pessoas, e animais (vira-latas fuçando latas de lixo), e carros, e pistas, e barulho, e prédios, e casas, e tudo que pode haver em um lugar qualquer. Lugar frenético, cidade frenética. Lugar onde as pessoas não se reconhecem. E muitas delas nem ao menos conhece a si mesma… Rostos anônimos que se cruzam sem palavras. Gente que se amontoa no metrô, sem cumprimentos, apenas se esbarram sem desculpas. E ninguém se toca realmente. Empurram-se, mas não se tocam. Não se entendem, nem se sentem verdadeiramente. Corpos anônimos que se esbarram, amontoam-se, mas não interagem. E se todo homem for, na verdade, uma ilha? Por quem os sinos dobrarão?

E se um bebê, de lugar algum, tocar o rosto da mãe? Procurando sentir aquela que o alimenta; descobrindo as feições de quem era, para si, apenas um corpo? Ele guardar-lhe-ia o sorriso? O cheiro? Se a mãe então tocar o bebê? Será que ambos se reconheceriam? Corpos com faces. Para estes, tudo tomaria um outro significado. Tornar-se-iam importantes, significantes entre si. E o bebê diria com sílabas trôpegas: “mã-mã”. Para alimentar-se, ou mesmo, querendo o contato físico daquele corpo quente que o enche de carinhos, que o faz sentir-se seguro e protegido. Então para proteger-se não é necessário isolar-se? Alguém pode proteger-nos? E, se assim for, podemos reconhecer nosso protetor?

Vejo, na praça de lugar algum, uma criança tocar um cachorro. O cão abana o rabo, feliz pelos afagos. Lambe, em contrapartida, a mão que o acaricia. Sente o gosto salgado do suor da criança, sente-lhe, ainda, o cheiro. E guarda estas informações eternamente na memória. Se anos depois, essa mesma criança, já um adulto, tocar novamente o cão, este se recordará do primeiro toque. Saudoso e servil lamberia a mão que o afaga. Como o cão de Ulisses. O único a reconhecer o dono no retorno da guerra de Tróia e dos anos distante na famosa Odisséia. Cães têm uma memória muito melhor que a dos homens. Esquecemo-nos facilmente. Às vezes fingimos que esquecemos: para nos isolarmos em nossas ilhas. Para não nos ferirmos. Para proteger nossos interesses egoístas. E se todos fossem como os cães… Seria fácil nos reconhecermos. E assim, adquirirmos faces uns para os outros.

Vejo também, em lugar algum, um cego tocar um rosa. Vermelha, mas ele não sabe que aquela rosa é vermelha. Apenas reconhece-a como rosa por seu perfume característico. Como será a visão de uma rosa para um cego? E se esse ferir-se com um inesperado espinho? Saberia que o rubro sangue de suas veias mancharia as pétalas da rosa de um vermelho que não lhe é próprio? O vermelho vida. O vermelho pulso. O vermelho que nos mantém vivos. E se a rosa fosse despetalada pela mão furiosa do cego? Que a esmagaria com ódio de sua beleza ferina, cuja imagem jamais veria. Ele não enxergaria o vermelho morte em suas mãos. E não saberia que as cores da tristeza são mais frustrantes quando não vistas. Assim seguimos todos vivendo isolados, em nossas ilhas, em lugar algum.

Mas, se um dia, em função de um milagre qualquer, as pessoas tomassem consciência umas da outras? Passassem a interagir e conversar? Reconhecendo-se afinal. Despertariam da cegueira que assola lugar algum. Adquirindo todos, rostos e identidades. Não um mero número, mas faces, expressões e sentimentos. Os corpos que outrora apenas se esbarravam, tocar-se-iam. Ganhando vida e nomes. Seria o amanhecer de uma nova era. Um verdadeiro e admirável mundo novo. Onde todos interagiriam, trocariam experiências, sonhos e medos. Não seria apenas uma multidão, mas um povo. E lugar algum se tornaria o lugar. Cidade que, num efeito em cadeia, despertaria novas cidades, depois estados, países, continentes e quiçá, o mundo. A civilização de um planeta qualquer, que a partir de então seria o planeta. Porque nenhum homem é uma ilha isolada. E ao ouvir o dobrar dos sinos, saberíamos que eles dobram por cada um de nós e por todos ao mesmo tempo. Reconhecer-mo-ia-nos um só corpo. Membros de uma mesma realidade. E cada badalada soando em nossos corações revelaria um único pesar.

  

  

Anúncios
Categorias: Uncategorized | Tags: | 1 Comentário

Navegação de Posts

Uma opinião sobre “

  1. Que saudade disso aqui … mas agora vou retomar minhas leituras com calma. Espero que estejas bem!
    Ahhh … só pra variar, amei o texto, e olha que tens que me dar um desconto porque eu tava com saudade das tuas palavras viu, talvez seja suspeita pra falar, mas de fato, adorei, adorei.
    Bjs
    Elis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: